Desembargador admite artimanha para manter Lula preso | Thalita Moema
Escolha uma Página

Neste domingo 12, a coluna Radar, publicou uma informação do desembargador João Pedro Gebran Neto, relator do habeas corpus do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no TRF-4, que admitiu a amigos que ignorou a “letra fria da lei” – no meio jurídico esta expressão refere-se a deixar as normas da Constituição inflexíveis, para emitir uma decisão contrária a soltura de Lula.

O desembargador desconsiderou a competência do juiz do TRF da 4ª Região, Rogério Favreto, por ter determina a soltura do ex-presidente.

A situação foi tão cômica, que foi como se o meio jurídico fosse um bando de idiota e não entendesse de leis.

Gebran afirmou que esta foi única forma para não soltar Lula e causar um dano maior, ele disse no despacho:

[wp_bannerize group="thalitaads" categories="499,253,115,375,211,335,8,63,244,245,1075,350,3,527,24,1,65,54,572,7,503,78,10" random="1" limit="1"]

“Para evitar maior tumulto para a tramitação deste habeas corpus, até porque a decisão proferida em caráter de plantão poderia ser revista por mim, juiz natural para este processo, em qualquer momento, determino que a autoridade coatora e a Polícia Federal do Paraná se abstenham de praticar qualquer ato que modifique a decisão colegiada da 8ª Turma”.

A manipulação não ficou por aí, foi publicado hoje também, no Estadão, que o juiz Sérgio Moro, exigiu aos agentes da PF, que o mandato pegar Lula dentro da CUT, fosse logo cumprido e eles invadissem o local.

O diretor da PF, Rogério Laggoro, em entrevista disse que ia fazer a coisa certa e cumprir a decisão de soltar Lula, mas Thompson, presidente do TRF4, o LIGOU, disse que não o soltasse e prevaleceu uma ligação e não uma determinação judicial.

“Diante das divergências, decidimos fazer a nossa interpretação. Concluímos que iríamos cumprir a decisão do plantonista do TRF-4. Falei para o ministro Raul Jungmann (Segurança Pública): ‘Ministro, nós vamos soltar’. Em seguida, a (procuradora-geral da República) Raquel Dodge me ligou e disse que estava protocolando no STJ (Superior Tribunal de Justiça) contra a soltura. ‘E agora?’ Depois foi o (presidente do TRF-4) Thompson (Flores) quem nos ligou. ‘Eu estou determinando, não soltem’. O telefonema dele veio antes de expirar uma hora. Valeu o telefonema.” Disse o diretor da PF.

Mas o que a população quer saber mesmo, é porque apenas o ex-presidente está preso, se juridicamente falando não há provas de nada, apenas delações, que não caracterizam provas. A questão é:

O Lula está preso, ok. Mas por quê o Aécio Neves, também não está?

E, por que prenderam o Lula se os documentos estavam no nome da esposa do ex-presidente? O próprio desembargador Leandro Paulsen, do TRF da 8ª turma, afirmou que “Não digo aqui que era do presidente a cobertura naquela época, mas havia pelo menos interesse na cobertura.”

Não sabia que a justiça prendia por existir apenas um INTERESSE.